Sonhos e Balões

Sonhos e Balões

Os seres humanos sempre invejaram os portadores de asas. E a curiosidade, os sonhos e  a perseverança sempre deram resultados espetaculares aos seus seguidores. Com isso, e mais muito trabalho, anos e anos de planejamento e dedicação conseguimos voar. Ah! O vento batendo no rosto, tudo lá embaixo é tão pequeno, os problemas ficam tão longe e o espírito voa mais alto que o nosso balão colorido e aquecido. Bartolomeu de Gusmão foi o primeiro homem a subir às nuvens, isto por volta do ano de 1.700, depois vieram os franceses de Montgolfier, os ingleses com o Henry Cavendish, e por fim… o brasileiro Alberto dos Santos Dumont, agora já com motor e sem dar bola ao vento, subiu  pelos ares de Paris, contornou a torre Eiffel e mostrou que brasileiro pode voar como qualquer outro ser humano. Pode sim! Vou te contar uma estorinha, agora de avião: Correu o boato aqui no Brasil, que um conterrâneo havia voado com um aparelho mais pesado que o ar e este carinha era de Minas e precisamente do sítio de Cabangú, que era encostado à cidade de João Aires. O prefeito em discurso sobre o assunto disse o seguinte: O homem pode ter até voado, mas ele nunca nasceria em Cabangú!  Nasceu sim! E você também pode! E só confiar nos seus sonhos que seu Anjo o levará onde você planejar.

Sonho do mês

Júlio César, aquele do Veni, vidi, veci, do Alea jacta est e do Até tu Brutus, entrou no exército como soldado, mas foi o maior gênio e conciliador político que o mundo já conheceu. Naquele tempo, para governar bem não se podia deixar inimigos vivos, hoje são feitos apenas acordos com valores e pizzas. Galgou, entre batalhas no Egito, na Gália, hoje França, e dentro do próprio território romano, com muita maestria, todos os postos possíveis chegando ao patamar máximo da velha república. Percebendo que Roma não era uma republiqueta de bananas, decidiu contar com auxiliares de cabeça boa, porque, segundo ele; para que uma nação fosse, realmente mundial, o poder teria que ser dividido entre administradores que pudessem contar com força política, recebendo com isto, suas benesses, mas também as grandes  responsabilidades. Começou aumentando as cadeiras do senado para novecentos assentos, incluindo aí pessoas do povo e pessoas de territórios tomados. Claro, desagradou toda a aristocracia – medidas populares nunca agradaram milionários de herança. O resto desta história está em todo lugar, mas o que ele sonhou você só encontra aqui.

Suetônio, que escreveu sobre a vida de Júlio César, registrou no Mórbidus, que em uma visita à casa do general  Cássio Longuino, contou ter sonhado que voando em uma carruagem de ar, encontrou-se com o Deus Júpiter que apertou sua mão. Calpúrnia, a esposa de Cássio, replicou-lhe na hora: Não vá mais ao senado sozinho, pois estão tramando pela sua vida. Se fosse agora, o Zugon Villar teria dito assim: Caro doutor general presidente, sonhar com deuses é sinal de morte, aperto de mão é convite para visitas e carruagem voando, hoje seria um balão, é traição em andamento por pessoas conhecidas, ou seja, seu consciente não percebeu, mas seu inconsciente já sabe. Por isso, às vezes, aquela preguiça ou vontade de desistir. Faria até uma quadrinha: Caro Júlio, não se iluda / A vida não é passageira / mas o futuro se estuda / com olhos de feiticeira.

Toda a primeira quarta-feira do mês às 20 horas, temos uma palestra gratuita e com assuntos diferentes: dos “Deísticos” aos “Científicos”. Apareça para um cafezinho na Escola dos Anjos, no templo Ayasofia – rua Álferes Magalhães, 347 – Santana.

Notícias relacionadas

background